sexta-feira, 31 de maio de 2013

maio - aromas

Maio é o mês das flores, do calor e dos turistas a invadirem as ruas de Lisboa.
E, apesar de agora o plástico imperar, Lisboa continua a ter cheiro de flores e de mar.


{Cheira bem, cheira a Lisboa - Amália Rodrigues}



(desafio 12 meses d'o blog azul turquesa)


first i was afraid, i was petrified

Esta foi uma semana do camandro em que aconteceu de tudo.
E tenho nódoas negras para o provar.
Tornei a casa wireless, fiquei sem eletricidade, desmontei a sala e mudei os móveis de sítio, desloquei um pulso e andei dois dias com um olho super inchado sem que se descobrisse porquê.
(vocês não estão mesmo a ver... nem eu via de tão inchado que estava)
Aconteceram tantas coisas que a semana passou a correr.
E o fim de semana está a chegar quentinho, quentinho!
(é aproveitar que durante a semana voltamos ao outono)
E um novo mês que começa e que me inquieta.
Uma das inquietações que junho me traz é que, lá mais para diante, me vou espraiar a sul e parece-me que preciso de encontrar um blusão de ganga.
De há uns dois anos a esta parte as manhãs são nubladas, as noites são ventosas e Algarve e blazer não combinam.
A não ser nas festas de betos, ouça, daquelas em que os senhores usam calças encarnadas (ou vermelhas??) e amarelas e azul turquesa e isso, com blazers e pullovers pelas costas, tá a ver... caturreira!


{I will survive - Gloria Gaynor}



P.S.: Já me esquecia, não tenho tido vagar, mas ainda hoje vou fotografar umas coisinhas para o Closet que está de cara lavada, ora ide ver já ou esperai mais um dia pelas novidades!


quinta-feira, 30 de maio de 2013

quarta-feira, 29 de maio de 2013

entrevistas às quartas

Vocês já repararam ali em cima no separador que diz "Les mercredis"?
Ali podem ler todas as "Entrevistas às quartas!" que faço a pessoas cujo trabalho vou divulgando pelo facebook.



(não deixem de conhecer a entrevistada desta semana, uma página de sonho!)

ai, ai

E hoje acordei com um olho tão inchado que mal o consigo abrir...
Se alguém me quiser recomendar os serviços dum profissional especializado, oftalmologista ou tira enguiços, muchas gracias!



terça-feira, 28 de maio de 2013

uma sopinha da pedra, o bem que lhes fazia

Ora a minha vida!
As viroses descobriram-me o blog e o ataque mais recente é dum site de pornografia francesa!
Dezenas de comentários a convidar-me para aceder a um site porno francês... oh la la!
Está bem que em francês tudo soa melhor, mas deixem lá isso, não se incomodem com moi même, ça va?
Merci.




segunda-feira, 27 de maio de 2013

eu vi a luz

Eu vi a luz, mas ela apagou-se.
Eu não percebo nada de maquinaria gente, nem quero perceber, sou feliz na ignorância.
Num mundo ideal, a gente comprava as cenas e as cenas ligavam-se à eletricidade e depois no botãozito (e olhem que já são duas coisas que uma pessoa tem de fazer, uma trabalheira) e voilá, tudo funcionava na perfeição e para sempre.
Mas não, quando finalmente eu consigo por a casa em wireless, vai-se a luz.
Nesta fase já eu estava descabelada, transpirada, exaurida e... (é melhor não rimar) cansada como se tivesse corrido a  meia  maratona, mas com a ilusão de que afinal até sou uma espécie de génio da eletrónica.
Mas o problema não foi a eletrónica, foi a eletricidade, puff, a casa ficou às escuras.
Pega na lanterna, vai mexer em botõezinhos no quadro elétrico, para cima, para baixo, nada...
Telefona-se para o fornecedor de eletricidade e dizem que não é com eles.
(e fiquei ainda mais... aquela palavra que rima com exaurida, estão a ver??)
Para já só não há eletricidade na sala.
Aguardar-se a visita dum eletricista.



sexta-feira, 24 de maio de 2013

raramente tenho dúvidas e nunca me engano

A verdade é que não me apetece dizer nada.
Ou que não tenho nada para dizer.
Nunca pensei vir a dizer isto, mas por estes dias duvido do futuro.
Do meu e do blog...


{Gostava de vos ver aqui - Paulo de Carvalho}



(sim, eu sei que a famosa frase de Cavaco Silva é "nunca tenho dúvidas e raramente me engano")



quinta-feira, 23 de maio de 2013

a custo

Estou aborrecida e desinspirada e estou atacada da tendinite no pulso direito.
(que por acaso é o meu pulso torto, uma vez que não consigo fazer movimentos de rotação desde que parti o cotovelo e a tendinite é consequência da minha síndrome de conflito do ombro... i'm bad to the bone...)
Quanto ao quadro, estará brevemente à venda na escritoacarmim.
(se vocês soubessem o que eu embirro com esta frase... um dia conto porquê...)
Aliás, estou magoada porque tive um trabalhão a colocar ali as mini polaroids com links e nem um comentáriozito nem um likezito pá, sois uns ingratos!
Posto isto, vou dormir.




quarta-feira, 22 de maio de 2013

crónicas da vódrasta

Há muito tempo que não falo dele, mas há tanto para contar!
O meu bébé está um menino lindo e espertalhaço.
Aos 3 anos e 5 meses de vida ainda não sabe escrever o nome, mas faz rabiscos e vai dizendo as letras.
Já sabe contar até muitos e já sabe somar e tem noção do valor do dinheiro.
(tem dois mealheiros: um para as moedas que pode gastar quando precisar e o outro para as moedas 'grandes' que são para poupar, e pede dinheiro a toda a gente, o crava)
Diz que quando for rico vamos todos viver para Abrantes.
(foi lá a uma festa numa quinta e adorou)
Faz xixi de pé e anda orgulhosíssimo porque já não molha o chão nem as calças.
Já consegue escolher só uma história para eu lhe ler domingo ao acordar, antes carregava em braços todos os livros que conseguisse.
O problema é que continuamos emperrados no lobo mau...
(nunca pensei que houvesse tantas histórias com o lobo mau, raio de bicho que é morto tantas vezes e sempre ressuscita!)
Outro dia estavamos todos à mesa e ele, pastelão para comer tudo o que não sejam hamburguers ou pizza, estava a engonhar e a mamã com a paciência a esgotar-se... e a vódrasta mandou-a tomar café com os amigos que acabava de lhe dar de comer.
E a coisa nem estava a correr mal, quando, do nada, grita "sou uma vaca" e mergulha de cabeça no prato!
O avô tratou de fugir a rir que nem um perdido.
E eu, muito aflita a tirar-lhe esparguete do cabelo, entre o riso e o ralhete, a limpar tudo antes da mamã voltar porque se não ía haver castigo na certa!
Será que o míudo viu este vídeo?!



terça-feira, 21 de maio de 2013

no sopro do coração # 3

Era um sábado e tinhas ido conhecer o teu neto nessa tarde.
Quando chegaste e disseste que te sentias angustiado, eu senti-me gelar.
O meu coração disse-me que não era comoção e encolheu-se de medo dentro do meu peito.
Já tinha visto os sinais, reconheci-os.
Fiz-te prometer que ías ao médico e foste.
Era uma sexta-feira e eu só queria que o dia passasse para poder estar contigo e ver-te e sentir-te.
Tomar-te o pulso.
De cada vez que falava contigo parecias mais cansado, com a voz mais distante e arrastada.
Tinhas o cateterismo marcado para daí a 4 dias.
Lembro-me que eram oito da noite e ainda pensei não atender a chamada e ligar-te de volta quando acabasse de subir a rua, que me deixa sempre sem fôlego, e entrasse em casa.
Mas parei, no frio e no escuro da rua íngreme, para te ouvir dizer que sentias uma dor no peito.
Tu não és como os outros homens (nunca foste, por isso me apaixonei), não és mariquinhas, não te costumas queixar da dor.
Liga para o 112, disse-te e logo de seguida liguei eu, porque tive medo que te sentasses à espera que a dor passasse.
Gritei para o telefone "o meu namorado está sozinho em casa e está a ter um ataque cardíaco!".
Não me enganei.
A hora seguinte foi de aflição, sem saber de ti, sem saber bem como te procurar.
Afinal não estavas naquele hospital onde disseram que estavas, fui a correr para outro e procurei por ti, disse que era a tua mulher, que é o que digo sempre nas reservas de hotel e nas ocasiões formais, porque é complicado explicar dois apelidos e duas moradas diferentes e a palavra namorado também me soa mal.
"Mas esse senhor já tem cá uma mulher", disse a cara confusa atrás do guichet.
Não pude deixar de sorrir, soube depois que a tua vizinha tinha avisado a tua ex-mulher e também ela achou demasiado complicado explicar que já não é tua mulher.
Respirei de alívio.
Quero lá saber quantas mulheres tens, pelo menos não estavas sozinho.


{Se cuidas de mim - Tiago Bettencourt}


(coitada da vizinha, deixem-me explicar: ele foi casado 17 anos e mora naquela casa há quase 30... a vizinha tem a chave de casa e o telefone da ex-mulher porque eram amigas... de mim nem o nome sabe... vocês já conhecem a minha embirração com vizinhas... esta também é cusca, mas no caso não agiu mal!)


sexta-feira, 17 de maio de 2013

o fashionismo é coisa que não me assiste

Mas hoje deu-me para isto.
Ainda me falta receber o presente de aniversário do meu homem.
Isto porque eu não sabia o que queria, depois lá me lembrei que tenho ali 2 túnicas de parte à espera de calças brancas (lá está o estilo gordita Idoia do post anterior), mas não me tem apetecido entrar em lojas e então disse que queria umas leggings push up brancas da calzedonia, que era para ele comprar sem eu me maçar, mas as malvadas das leggings brancas estão esgotadérrimas há buéréré e ele inisitia atónito "mas só queres isso?" e lá acrescentei um frasco de Huile Divine da Caudalie ao rol.
(atirem-me água benta, já! sai deste corpo espírito pobre!)
Então esta semana, subtilmente, mandei-lhe um e-mail com estas malunfas, assim como quem quer mesmo a coisa e quer ter a certeza de que ele percebe a mensagem.
Ando com um drama pessoal em relação às malas pretas, não tenho nenhuma que me satisfaça, vai daí junta-se o útil ao agradável, o preto ao branco (mais sujo que branco) e estou com esperança de ter de fazer um ar surpreendido ao dar com uma destas babes em casa à minha espera.
(mas se bem o conheço está à minha espera para irmos comprar juntos, que o meu gajo gosta mais de compras do que eu)




that's what style is all about

Nome: Mia
Cidade: Lisboa
Blog: M&A

Nome: Idoia
Cidade: Bilbao
Blog: El Clube de las Mujeres Reales

Nome: Anh
Cidade: S. Francisco
Blog: 9to5Chic

3 mulheres, 1 vestido.
Este, Zara, 39.95€
Claro que as minhas pernocas cheias de refegos (e brancas... tãooo brancas!) só me permitiram usar este vestido como a Idoia.
E vocês, como o usariam?



(a propósito, lembram-se deste post?)






quinta-feira, 16 de maio de 2013

ganda moka

Há 2 dias que alguém neste prédio anda a ouvir uma música em loop cujo refrão eu juraria que é qualquer coisa como  moka bopa shopa.
E na minha cabeça há uma tribo a dançar uma espécie de Harlem Shake primitivo.
Estou quase a largar o portátil para dançar também!



ultimamente...

... esta cabeça não para.
Mais ideias que tempo.
Muita vontade de fazer coisas.
De escrever é que nem tanto.
Pela primeira vez em anos, sem posts agendados.
Ultimamente tenho até ponderado não continuar o blog.
Mas já nem sei separar a Miss Scarlet de mim mesma.
Eu já não sou eu, virei personagem.


{Quem era eu sem ti - Tony Carreira}



sim tenho 4 páginas de facebook! esta, esta*, esta* e ainda esta!
* estas são páginas que vou gerindo por ♥ para com os verdadeiros proprietários... 
mas merecem um gosto! ou não??
espera, faltava esta d'As Amantes que é em joint-venture com a querida Turista Acidental!!



quarta-feira, 15 de maio de 2013

sweet dreams

Mais uma novidade escritoacarmim.



guerra dos sexos

Não tenho nada contra os homens, antes pelo contrário, sempre tive mais homens que mulheres como melhores amigos.
E pelas razões opostas.
Havia as amizades que começavam pela atração mas que quando percebiam que daqui só à estalada lá se conformavam, e havia os outros para quem eu não era como as outras mulheres, traduzindo, eu era como se fosse gajo e sentiam-se à vontade comigo.
Com os homens posso eu bem, o que me irrita mesmo são as mulheres machistas.
As mulheres machistas são as mulheres que se acham uma sortudas porque o marido até ajuda em casa.
Hã?! Ajuda???
Mas desde quando é que é para ajudar?
É mesmo para fazer, não para ajudar!
Marido não tem de ajudar, tem de fazer.
Partilhar.
Dividir.
Assumir.
As mulheres machistas são as mulheres que dizem que a vizinha (casada) é uma porca porque deixa o lixo à porta toda a noite.
Oi?! E o maridinho? É asseado??
Se querem ser machistas digam que a culpa é do vizinho, já que toda a gente sabe que levar o lixo cabe ao homem.
(olha eu a ser mulher feminista)
As mulheres machistas são as mulheres que como mães vão educar os filhos para um dia virem a ajudar em casa e a educar as filhas para que se sintam agradecidas por um dia encontrarem um homem que até ajuda.
E isto irrita-me, porque ser mulher já é uma trabalheira sem nos termos umas às outras a lixar-nos a cabeça e a vida.


{Tem pouca diferença - Gal Costa}



terça-feira, 14 de maio de 2013

o sopro do coração # 2

Ninguém fala dos amores infelizes, dos amores que nos fazem mal.
Dos amores que, de tão sofridos, se chega a pensar que nunca foi amor.
Quando casei estava preparada para tudo, mas não estava preparada para a loucura.
Por incrível que pareça, ainda tenho saudades de ser casada contigo nos tempos bons.
Enquanto foi bom, foi muito bom.
Compreendias-me como ninguém, eras o meu melhor amigo.
Tínhamos tudo para juntos sermos tudo, era o que diziam.
E nós também, sentíamo-nos no topo do mundo, tínhamos descoberto a fórmula da felicidade.
Por isso mesmo, arranjei desculpas para explicar as tuas obsessões.
Se a nossa felicidade dependia duma despensa cheia de champô anti-caspa, que assim fosse.
Até que começaram os surtos psicóticos, mas nem assim eu desarmei.
Se acreditavas em espíritos, íamos à bruxa.
Se odiavas o teu chefe, procuravas outro emprego.
Eu ía arranjar sempre solução.
Eu ía estar lá sempre para ti.
Mas depois afastaste-me.
Não dormias, não comias, já não falavas comigo.
Desaparecias durante dias e quando voltavas parecias um cão perdido dos donos, com fome e com medo.
E eu dava-te colo.
E pedi ajuda.
Mas os teus pais disseram que eras muito nervoso, que já tinhas estado assim uma vez.
Eu que engravidasse que isso logo te passava.
Tentei levar-te ao médico, mas não querias.
Até aquele dia em que me telefonaste a dizer que te ías matar e me deixaste com o coração na garganta até de madrugada.
Apareceste e eras outra vez tu, assustado, desesperado, apenas com o vazio no olhar.
Nesse momento soubemos ambos que tínhamos perdido, que afinal não íamos ser felizes.
Há muito tempo que não me procuras.
Ainda bem, porque a tua loucura faz-me muito mal.
Mas espero que estejas bem.
Espero que finalmente aceites que precisas de tomar os medicamentos.
Espero que consigas ser feliz.



(esquizofrenia*)

segunda-feira, 13 de maio de 2013

as asas são para voar

Miss Scarlet Red também é escrito a carmim o blog e agora a marca.
Ora vão lá ver e digam se gostam.

{Asas (elétricas) - GNR}



scarletices # 20

Mal ponho o pé na rua e... "wow, o que é isto?? onde vais com tanta pressa? connosco não!" disseram os sapatos de salto alto.
Verdade, já me esquecia de como o centro de gravidade se altera de saltos altos.
Foi por isso que escolhi estes, de salto largo e não muito alto.
À medida que caminho vou ganhando confiança e passo a velocidade cruzeiro.
Eu vestia mesmo estas roupas?
Que esquisito, pareço uma senhora, não me sinto na minha pele.
Não me sinto bonita nem elegante, só estranha.
Nisto passa um carro e gritam "ó boazonaaaa".
Ok, talvez afinal isto não me assente assim tão mal.



(sapatunchos miau meow*)