sexta-feira, 29 de março de 2013

em abril, poemas mil

O desafio de fevereiro estava-lhe prometido desde novembro.
Depois, ía fevereiro no adro e ela deu-me a ideia para março.
Ou seja, isto dos desafios foi obra do destino.
Mas agora, perante o vosso entusiasmo, restou-me puxar pela cabeça.
E veio-me à memória uma frase batida "sempre achei injusto que se diga simplesmente de abril que tem águas mil"...
A ideia surgiu-me porque a 21 de março se celebrou o Dia Mundial da Poesia e eu gosto de enviar mensagens com excertos de poemas ao meu amor.
Está, portanto, lançado o mote para abril!
Partilhem os vossos poemas preferidos, ilustrados ou não, inteiros ou não, originais ou não.
Clássicos, comtemporâneos, quadras de António Aleixo, frases de Bocage, vale tudo.
Podem partilhar por aqui se assim preferirem e/ou nos vossos blogs.
(nesse caso enviem-me um e-mail para scarletredwoman@gmail.com - o meu e-mail está no fundo da página - é só carregar no símbolo do envelope)
Para já deixo-vos com esta frase de Mário Quintana e uma fotografia tirada por mim numa rua de Sintra. *
Como é, estamos juntos?
")



* podem usar esta foto para divulgar o desafio nos vossos blogs ou para o que seja, só vos peço que a publiquem com um link para o meu blog.

** repararam que criei este separador para os desafios?

quinta-feira, 28 de março de 2013

março - viajar

Esta é a espinha atravessada na garganta.
Este é, até agora, o maior sacrifício que o desemprego me impôs.
Março e setembro eram meses de voar.
(eu queria ser astronauta, o meu país não deixou... ó meu anjo da guarda, faz-me voltar a sonhar)


{Voar - Tim}



(desafio 12 meses d'o blog azul turquesa)

o que dizem os teus olhos # 6

O Jardim Zoológico de Barcelona teve durante 37 anos um gorila albino, o Snowflake, que segundo os cientistas teria o equivalente a 40 anos de idade quando morreu, quando a taxa média de vida da espécie é de 25 anos.
Eu vi o Snowflake uma vez e parecia um gorila velhinho e frágil, comparado com os outros.
Agora existe no Zoo de Barcelona um pequeno museu dos gorilas e esta é a fotografia dum dos paineis desse museu, que diz algo como "olha um gorila nos olhos e mudarás para sempre".
Vivemos dias difíceis como pessoas e como espécie humana, dias de aprender a olhar a vida doutro modo.
O que eu espero é que a mudança nos traga um olhar mais abrangente e profundo sobre o mundo e as coisas.
Um olhar que será ainda durante algum tempo um olhar vazio ou um olhar magoado ou um olhar assustado, mas que espero que se transforme num olhar de esperança e confiança e determinação.
É preciso olhar para dentro e para cada um de nós com olhos de ver.
É preciso guardar olhares felizes para recordar nos momentos difíceis.
É preciso olhar em frente sem esquecermos tudo o que já vimos.



(obrigada a todos os que uma vez mais alinharam nas minhas ideias)


quarta-feira, 27 de março de 2013

crónicas da vódrasta

O menino escarlate está cada vez mais crescido, a empregar novo vocabulário, cada vez mais bonito, espertalhão e absolutamente beijável.
(já disse bonito?)
Claro que de entremeio há birras épicas, plenas de dramatismo, com uma espécie de uivos e gestos à diva de Hollywood da década de 50.
E continuamos emperrados nos porquês e nas histórias, de preferência com lobo mau.
Um destes sábados, aqui a espertalhona vódrasta descobriu uns livros de histórias com autocolantes para colar no lugar das personagens.
Tratei logo de levar dois, sem lobos, um sobre dinossauros e outro sobre a Páscoa e assim sempre recuperava o fôlego enquanto ele colava os autocolantes.
E a coisa nem correu mal, à parte o gaiato estar do contra e sempre que eu dizia "vamos colar uma borboleta" ripostava "não, eu quero um ovo"... mas depois de um bocado nisto foi ao quarto e trouxe cinco livros de histórias para eu lhe ler.
(toma lá miss esperta)
E pronto, comigo as histórias são no colinho (miminho bom) e assim estávamos até que o avô foi beber água e ele quis água e eu também bebi água, sei que quando regressamos à sala o menino escarlate já lá estava e na televisão estava o rancho das coelhinhas.
(!!!)
Ora ao contrário do que poderão pensar, o rancho das coelhinhas não tem nada a ver com a  Páscoa e naquele momento várias coelhinhas açoitavam uma coelha que estava a jeito no colo do dono do rancho.
"ó scarlet, aquela menina portou-se mal, pois foi?"... foi!
(abençoada a inocência das crianças)
De maneiras que este ano estou a pensar abolir a Páscoa lá por casa e talvez também não deva contar-lhe histórias dos livros da Anita, cá por coisas.



(ele diz sempre "pois foi?" e eu fico com os nervos em franja e só me apetece corrigi-lo e explicar-lhe que se diz "não foi"... mas ele tem 3 anos e 4 meses, como raio lhe vou explicar isto, pois é?!)

o carteiro toca sempre duas vezes

É capaz de ser verdade, ele secalhar só toca duas vezes, são é duas vezes que duram dois minutos seguidos cada, ou seja, quatro minutos sem interrupção.
Já lhe expliquei que ouço bem, que não é a intensidade do toque que faz com que eu seja mais célere a abrir a porta.
Aliás, graças aos toques dele qualquer dia deixo de abrir a porta de vez.
Tenho uma taquicardia, fico aqui estendida no chão e só dão comigo quando a gata (a outra sirene de serviço) começar a ressacar por iogurtes e der com o prédio em doido.
É que já não vou tendo idade para estes sustos!



noblesse oblige

Etc e tal para fazer a devida correção à localização desta foto, que foi tirada na Ilha do  Faial, cidade da Horta mais precisamente.
Obrigada Laura por me chamares à atenção, tinha as minhas fotos mal arquivadas.



terça-feira, 26 de março de 2013

olh'ó leilão freguesa linda!

Mais um colar que nunca usei, a leilão aqui...
(porque é que eu nunca usei um colar tão giro?!)



coisas que vos conto apesar de ser uma cabra egoísta

Para quem gosta de se besuntar com óleo para bébé duma marca conhecida da qual não me apetece dizer o nome, fica a dica: óleo de amêndoas doces.
Vende-se em frascos de litro, faz o mesmo efeito e sai muito mais em conta.
Não sei se há à venda em hípermercados e farmácias, imagino que sim, mas se tiverem dificuldade em encontrar procurem em lojas de revenda de artigos para salões de cabeleireiro.
Ou naquelas lojas que vendem tudo, tipo lojas de indianos, que é onde eu compro.
(desculpem lá a descriminação racial)



preciso da vossa opinião sincera

Fui a uma entrevista de emprego numa empresa de recrutamento e seleção.
Eu sabia que não ía dar em nada porque não tenho habilitações nem experiência para o que eles procuravam, mas combinámos a entrevista para nos darmos a conhecer mutuamente.
E acabou por ser muito positivo.
A entrevistadora era tão simpática que aproveitei para lhe pedir opinião sobre o meu CV.
Ela só sugeriu que detalhasse um pouco mais a minha última função (curiosamente aquilo que devia de estar mais fresco na minha memória foi o que tive mais dificuldade em descrever, caramba, fazia tanta coisa e não consigo explicá-lo!) e que mudasse a foto.
Eu sei que a foto está desatualizada, estava assim, e acho que a foto não devia ser importante, mas sei que é, principalmente quando se procura emprego depois dos 40, é importante mostrar que não sou velha...
De modos que encontrei esta imagem e achei-a perfeita.
Estava a pensar colocá-la no meu curriculum com a seguinte legenda:
"Toco piano e falo francês, sou flexível e multitasker"
Que acham?



segunda-feira, 25 de março de 2013

o que dizem os teus olhos # 5

Ela chegou-me à caixa de correio a dizer que não sabe falar de si mesma, mas que os seus olhos procuram a felicidade, em qualquer sítio, em qualquer recanto, em qualquer parte do mundo, que são olhos que procuram sempre o lado bom da vida.
Eu digo que com esse olhar não precisas de dizer mais nada.
Eu gosto de gente que olha em frente e se alimenta da luz.
Espero que os teus olhos encontrem o que procuram.
Mas às vezes precisamos de parar de procurar para encontrar.
("stop searching, start finding" - Saudades de Nova Iorque - Pedro Paixão)
Just go with the flow.



o que dizem os teus olhos # 4

Os meus olhos dizem que tenho de fazer mais e melhor.
Dizem que tenho de dar luta, que tenho de encontrar o meu lugar.
Os meus olhos são atentos e perspicazes.
Mordazes.
Raramente frágeis.
Não são transparentes.
É preciso saber ver para além do olhar.



sexta-feira, 22 de março de 2013

os lança bujardas

São assim os anónimos.
Não tenho (ainda) grande razão de queixa, mas espantam-se sempre com coisas que a mim me parecem descabidas.
Não têm sido ofensivos, só um bocadinho parvos, por isso nem percebo a necessidade de comentarem sob anonimato.
Eu também já fiz comentários dizendo que não concordava ou sendo crítica em relação ao tema dum post, mas sempre dei a cara pelas minhas opiniões.
Numa dessas vezes a autora do blog respondeu-me e agradeceu-me por não ter comentado como anónima e senti-me compreendida.
Discordar não é mau, criticar não é errado.
E se o podemos fazer da forma correta e com educação, porque não?
Compreendo que seja mais fácil ceder à estupidez e partir para o anonimato, mas não há necessidade, experimentem a verticalidade.
(e agora sai-me tudo em rima)
Mas hoje, inspirada pela Belle du Jour, deixo-vos o desafio: dizerem neste post e de forma ANÓNIMA tudo o que pensam verdadeiramente sobre este espaço (sobre mim, sobre o blog, sobre tudo...) e que nunca disseram antes porque não tiveram coragem ou simplesmente porque nunca calhou.


(também me podem elogiar, não se acanhem)


quinta-feira, 21 de março de 2013

a raínha do pendant # 57

Ontem, para receber a primavera, usei um vestido preto com uma barra branca que ainda só tinha usado no famoso jantar de natal de bloggers. ")
Não encontrei nenhuma fotografia onde se visse o vestido por inteiro e é pena porque é muito giro, de meia manga e com corte tulipa, apesar de justo ao corpo (again, Cortefiel).
Usei o colar e brincos da Parfois que mostrei aqui, para combinar com o dourado dos fechos das botas 'over knee' que comprei faz tempo à Cat Walk (a fechar o decote, por debaixo do colar, o vestido tem uma chapa de metal prateado).
Não uso preto total muitas vezes (exceto nos sapatos, mala e blazer, ele há coisa mais versátil e que dê com tudo?) e gosto sempre de o misturar com cores, seja na bijuteria ou até nos collants.
Por isso este post até se podia intitular "O prazer de ter estilo com... preto!", adoro o blog da Filipa, é inspirador, mas acho que ela usa muitas vezes preto.
Por outro lado, este post também se poderia perfeitamente intitular "Ai os fãs, essa imensa massa anónima" porque, ao abrir o blog da Márcia, descobri que as fashionistas todas já me estão a copiar!



quarta-feira, 20 de março de 2013

leilão solidário, mais um

É só para dizer que A Turista Acidental continua com os seus leilões solidários e que desta vez têm a oportunidade de adquirir um colar usado por mim apenas para tirar estas fotos, neste dia.
(como sou uma cabeça de alho chocho, acabei por comprar outro colar com as mesmas cores)
Vem aí a Páscoa, o dia da mãe e abril é um mês super lotado de aniversários, ou seja, podem ajudar e ajudarem-se, comprando um colar giro nas horas e a bom preço.
Fica bem com azul escuro como eu o usei, fica bem com azul claro, com preto, branco, amarelo, verde...
Portanto, trata-se de uma oportunidade única e, como sou eu que vou enviar o colar, terão direito a uma dedicatória personalizada e autografada.
Ora, isto é um suponhamos,  mas vai que um dia destes me torno numa pipoca à escala mundial ou sei lá e depois também podem leiloar o cartão, desta vez via Christies ou Sothebys, e ainda se salvam da crise!
Ó ó!



{With a little help from my friends - The Beatles}



(vamos combinar assim: a partir de agora, sempre que a Turista tiver leilões, eu ponho um aviso no topo do blog, ok?)


se isto não são as alergias da primavera...

... não sei o que será.
Mas por causa das fotos anteriores, que têm cerca de 1 ano a menos e 10Kg a mais (e má qualidade porque o telemóvel era outro), lembrei-me que os vestidos da Mango traziam cintos que não apertavam em mim.
Mesmo que lhes fizesse um furo o mais possível à ponta, não davam.
Então fui a uma retrosaria comprar fita de seda para fazer de cinto, porque os vestidos estavam feitos para serem usados com cinto, tinham costura na cintura e 'orelhas' de lado, por onde o cinto havia de passar.
E isto para dizer que há imensos truques e soluções para quando estamos mais gordinhas e que o amor próprio nunca se deve perder.
Ninguém nos blogs, como na vida real, é perfeito.
Todos temos dias maus, fases más.
Ninguém é de ferro.
E não é fácil deixar a bolha da perfeição e dar a cara.
Eu era gorda (esperem, ainda sou), mas na altura não tinha força de vontade para mudar isso.
Nós mulheres às vezes somos duras demais connosco e precisamos de ser as nossas melhores amigas.
Lembrem-se disso e inspirem-se no testemunho dela e no dela.
Ou vá, inspirem-se em mim.



a raínha do pendant # 56

Estão a ver como a minha malinha era tão versátil?
(e os sapatinhos também - seaside - igualmente falecidos)
Fomos tão felizes juntas...
R.I.P.



(como vês minha querida Belle, ao contrário de ti sou uma mulher de castanhos beijos!)

primavera please be good to me

Há um ano era primavera e eu estava num périplo pelos Açores, neste dia tinha chegado a S. Miguel ♥
(ai os pequenos almoços com queijo de S. Jorge e pão de massa sovada... e a minha cara com mais 10Kg também parecia um queijo...)
E esta é a raínha do pendant em modo todo o terreno: t-shirt e leggings, parka (cortefiel), óculos aviator (Pedro Del Hierro - o meu homem tem uns iguais, so cute!) e botas com sola de borracha (seaside).
(a mala era da loja da minha amiga Tisha - a New Look - e descoseu-se depois desta aventura... mas fomos muito felizes enquanto durou, usei-a até à exaustão, aliás, já ía moribunda na viagem. Oh!)



terça-feira, 19 de março de 2013

o monstro amarelo contra-ataca

E pronto, voltámos à fúria do iogurte, andou este tempo todo tão calma que a dona, eu, acreditou no Pai Natal e voltou a encher o móvel de tarecos.
Parece-me bem que vou ter de destralhar tudo outra vez, a minha gata é tipo barata, voltou ainda mais forte depois de ter levado com shelltox e agora ignora-me quando ameaço atirar-lhe com a garrafa de água (ela odeia ser molhada, ainda que com salpicos, e sabe perfeitamente que quando agito a garrafa aquele barulho é água e significa que me estou a passar).
É que estou mesmo lixadinha, acabou de amochar quando lhe atirei com uma tangerina (oca, de plástico) mas não fugiu e eu desatei-me a rir, perdi toda a credibilidade perante aqueles olhos amarelos a brilhar no escuro do hall de entrada.
Se não os podes vencer junta-te a eles, vou fotografá-la a mamar iogurtes, pode ser que a Danone me queira patrocinar.



(claro que não pulverizei a gata com shelltox, mas dizem que as baratas se tornam imunes e que seriam as únicas sobreviventes em caso de desastre nuclear)

pai