terça-feira, 21 de maio de 2013

no sopro do coração # 3

Era um sábado e tinhas ido conhecer o teu neto nessa tarde.
Quando chegaste e disseste que te sentias angustiado, eu senti-me gelar.
O meu coração disse-me que não era comoção e encolheu-se de medo dentro do meu peito.
Já tinha visto os sinais, reconheci-os.
Fiz-te prometer que ías ao médico e foste.
Era uma sexta-feira e eu só queria que o dia passasse para poder estar contigo e ver-te e sentir-te.
Tomar-te o pulso.
De cada vez que falava contigo parecias mais cansado, com a voz mais distante e arrastada.
Tinhas o cateterismo marcado para daí a 4 dias.
Lembro-me que eram oito da noite e ainda pensei não atender a chamada e ligar-te de volta quando acabasse de subir a rua, que me deixa sempre sem fôlego, e entrasse em casa.
Mas parei, no frio e no escuro da rua íngreme, para te ouvir dizer que sentias uma dor no peito.
Tu não és como os outros homens (nunca foste, por isso me apaixonei), não és mariquinhas, não te costumas queixar da dor.
Liga para o 112, disse-te e logo de seguida liguei eu, porque tive medo que te sentasses à espera que a dor passasse.
Gritei para o telefone "o meu namorado está sozinho em casa e está a ter um ataque cardíaco!".
Não me enganei.
A hora seguinte foi de aflição, sem saber de ti, sem saber bem como te procurar.
Afinal não estavas naquele hospital onde disseram que estavas, fui a correr para outro e procurei por ti, disse que era a tua mulher, que é o que digo sempre nas reservas de hotel e nas ocasiões formais, porque é complicado explicar dois apelidos e duas moradas diferentes e a palavra namorado também me soa mal.
"Mas esse senhor já tem cá uma mulher", disse a cara confusa atrás do guichet.
Não pude deixar de sorrir, soube depois que a tua vizinha tinha avisado a tua ex-mulher e também ela achou demasiado complicado explicar que já não é tua mulher.
Respirei de alívio.
Quero lá saber quantas mulheres tens, pelo menos não estavas sozinho.


{Se cuidas de mim - Tiago Bettencourt}


(coitada da vizinha, deixem-me explicar: ele foi casado 17 anos e mora naquela casa há quase 30... a vizinha tem a chave de casa e o telefone da ex-mulher porque eram amigas... de mim nem o nome sabe... vocês já conhecem a minha embirração com vizinhas... esta também é cusca, mas no caso não agiu mal!)


7 comentários :

  1. Que susto!
    Espero que tenha passado e o marido/namorado esteja bem!
    vidademulheraos40.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi há 3 anos e meio e correu tudo pelo melhor, sem sequelas, uma sorte!

      Eliminar
  2. Querida Scarlet, que susto tão grande para o teu/vosso coração!
    E que mulher de garra tu me saíste.
    Um grande beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O medo é uma coisa tão estranha que até dá coragem!
      ;)

      Eliminar
  3. Este 'susto' tem a idade do menino escarlate e sempre que ele cumpre mais um aniversário eu lembro-me... correu tudo bem porque quando se deu o enfarte o INEM já lá estava com um desfibrilhador e isso fez toda a diferença, fez com que 1 ano depois ele tivesse 'alta' e fosse dado como 'curado', precisando apenas de tomar 2 comprimidos por dia.
    Mas tinha tudo para correr mal...
    Sensação de angústia, de opressão, azia, dor num braço ou no peito podem ser sinais de ataque cardíaco!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺