segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

quando o telefone não toca

Eu ainda sou do tempo em que os telefones serviam para falar.
Só.
Eram aparelhos pretos, presos à parede por um fio, com uma roda com números e toque estridente.
Tive menos telemóveis que namorados (juro que na vida real não me chamo Elsa Raposo nem Marta Leite Castro nem Dália Madruga) e, apesar de nos últimos anos ter tido sempre telemóveis "topo de gama", eram telemóveis que vinham com a função na empresa (confesso, o terceiro e último telemóvel comprado por mim foi há mais de sete anos) e como eu não pertencia à elite 'primeira linha' nem à dita área comercial, tudo o que os meus telemóveis me permitiam fazer era falar e enviar sms's, o resto estava bloqueado.
(tipo ter um porche mas não ter carta de condução)
O telemóvel que tenho agora é herança da parte do meu homem.
(não que tenha ficado víuva, mas porque ele achou que a sua virilidade estava dependente do modelo mais recente)
Ou seja, neste momento o único bloqueio é ao nível dos skills da utilizadora do telemóvel.
E é a segunda vez que me aparece um balão tipo chat no ecrã do telemóvel com alguém que eu conheço a dizer "Olááá! Tudo bem?"... e eu só vejo mais de 48 horas depois.
Está tudo bem, obrigada.
Eu só não sei é responder, nem sei porque é que os balões aparecem no telemóvel porque acho que são do google talk.
Mas agora me lembro que também não uso o google talk e nem sei se o sei usar.
Por isso malta amiga, mandem-me toques, sms's, pombos correios ou sinais de fumo.
Mas balões... não sei responder!


2 comentários :

  1. Eu cá adoro essas tecnologia :)

    Para mim o telemóvel serve bem mais do que apenas para falar :)

    ResponderEliminar
  2. Olha... eu nem sei de que estás a falar... ;)

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺