sexta-feira, 26 de outubro de 2012

a raínha da futilidade

Passei 24 horas obcecada com umas galochas e uma mala de borracha.
Procurei fotos, comparei preços, discuti cores e não me consigo decidir.
Tudo começou com as botas e as malas já foi extrapolação delirante.
O engraçado disto tudo é que não costumo ligar a marcas nem ao seu pseudo status.
Gosto do design de certas peças como quem gosta dum edifício pela sua arquitetura e harmonia, ou como quem gosta dum espremedor de laranjas pela sua não funcionalidade óbvia de obra de arte.
Fiquei exaurida de tanto pensar em borracha colorida e cada vez me sentia pior.
Neste momento posso gastar um dinheirão numas galochas, mas estou desempregada e sinto-me mal a gastar tanto em coisas tão pouco significantes e às quais darei tão pouco uso.
De maneiras que peguei no dinheiro das botas e depositei-o na conta dela e ainda poupei o dinheiro da mala.
Porque não ligo a marcas, mas acredito em pessoas que podem deixar a sua marca no mundo.
O dinheiro dumas botas botas de borracha não lhe resolve a vida, mas compra-lhe tempo e esperança.
E, às vezes, só mais um bocadinho é todo o tempo de que precisamos.
Que sobre isto de viver a balões de oxigénio percebo eu, já o disse aqui.

(e ainda não fui ao Jumbo mas descobri este site... estou oficialmente obcecada!)

10 comentários :

  1. Querida qual e a mulher que nao tem os seus momentos futeis? so quem nao tem 1€ para gastar. As vezes sabe bem ser futil, faz parte, e a Alexandra se pudesse tbem seria dada a futilidades, a diferença e que nao tem posses para isso. Se te fez sentir bem dar um bocadinho a Alexandra fizeste bem, desejo-te tudo de bom

    Maggie

    ResponderEliminar
  2. Olá Scarlet.
    Que gesto lindo. São pessoas como você que fazem a diferença. Parabéns.
    Beijinhos grandes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achei um bocadinho feio da minha parte contar... o bem pratica-se sem publicidade. Mas espero que tenha atraído mais atenção e quiçá mais cêntimos para a Alexandra.

      Eliminar
  3. Aí está uma boa atitude. O ano passado fiz o mesmo. Deixei uns sapatos vermelhos que adorava na prateleira e entreguei os 50 euros para ajudar a pagar uma operação aos rins da gata matilde.

    ResponderEliminar
  4. E foi um gesto muito bonito. Também vi essas reportagem e fiquei indignada com o pouco dinheiro que o estado dá a essas pessoas para sobreviverem.

    bjs

    ResponderEliminar
  5. às vezes é preciso esquecer a borracha e por os pés na terra ;)

    ResponderEliminar
  6. Eh pah... ainda bem que não compraste... Caí nesse erro há, para aí, dois anos e usei as galochas para aí três vezes. Passar dias inteiros com pés gelados, não é, definitivamente a minha cena! :)))

    ResponderEliminar
  7. Olá.
    Vi uma parte desta reportagem e fiquei sensibilizada. Mas não sabia que há um conta aberta para quem quiser ajudar.
    Quanto às galochas, não gosto. Nem quando era miúda gostava (lembro-me de ter uma de cor vermelho).
    Podem custar 1 euro que eu não consigo calçar isso.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Haja mais gente assim e o mundo será bem melhor :)

    ResponderEliminar
  9. Vi no blog da Pipoca a reportagem. Aliás, abri a página da reportagem, aquilo começou a carregar e desliguei. Se ando a chorar por tudo e por nada era meio caminho andado para andar agarrada ao lenço o dia todo. Li a reportagem. fiquei-me por aí.

    Acho-a uma verdadeira inspiração.

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺