sexta-feira, 4 de maio de 2012

friday facts

Nunca fui uma pessoa que gerasse consensos.
Sempre fui o género que se ama ou se odeia.
E nunca me preocupei muito com os que me odiavam.
Vivemos em democracia, têm toda a liberdade e legitimidade para me odiar.
Desde que não me façam mal.
Mas parece que há mesmo pessoas do mal, que não se contentam em odiar silenciosamente no seu canto.
E eu, que sou uma pessoa do bem, sou vulnerável ao mal.
É a minha grande fraqueza, fico exposta, com os flancos desprotegidos.
E fico extremamente admirada por me fazerem mal.
Eu sou tão insignificante, tão inofensiva!
Eu também odeio, mas quando odeio desprezo, ignoro, esqueço.
A minha vida é feita de amor e de luz, quero lá saber das pobres almas que vivem do lado de lá da escuridão.
Essa é, talvez, a grande lição de vida que me falta aprender: a defesa.
Aprender a estar atenta aos golpes baixos, ao fel que destila dentro de certos seres que pairam em redor.
Não sei se lá chego.
Sou demasiado autoconfiante, demasiado distraída, demasiado crente.
Diria mesmo demasiado feliz.
Resta-me acrescentar que todo o mal que me atiraram para cima, se converteu sempre em bem e em bom.
Sempre.
E sabem porquê?
Porque o bem vence sempre e o que não nos mata só nos torna mais fortes.

4 comentários :

  1. Nos dias que correm, convém estar atento ao que se passa à nossa volta, mas com distanciamento, sem nos deixarmos contaminar pela maldade que grassa por aí. A felicidade causa muita inveja, com tudo o que isso gera de mau.
    A vantagem das pessoas genuínas e que seguem o seu percurso sem golpes baixos e sem ser à custa de ninguém é que conseguem sempre dar a volta por cima. Se lhes roubam uma ideia, têm outra ainda melhor!
    Tudo de bom. Boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Descobri-te hoje! e Adorei já tive mais tempo e paciência para andar a "passear" por blogues, o meu está precisamente neste momento ao abandono porque não me apetece... Estas palavras podiam ser a forma como me descrevo e vejo... Olha gostei! É um blog com alma, com conteúdo... sabe bem estar aqui.. hei- de voltar.

    P.S. passei a adolescência e a ouvir Pixies e Voilent Femme, não conhecia esta versão do where is my mind... é bonita

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Às vezes o mal dá-nos umas ferroadas... parece um ataque duma cobra: súbito e letal.
    E ficamos com o veneno dentro de nós a corroer-nos, até o conseguirmos destilar.

    Obrigada meninas :)

    Quanto à música, foi um achado do 5 para a meia-noite! O Noiserv é um artista português que editou agora um CD.

    ResponderEliminar
  4. Scarlet Red, não tenho blog mas dei por mim a ler as tuas palavras e revi-me na totalidade delas.
    No entanto, tal como dizes-te nunca um golpe baixo atinge quem é bom porque a vida, à sua maneira, retribui-nos e ajuda-nos a tornar o que é mau em bom. Tudo se converte e, usualmente, apesar de não desejarmos mal mesmo a quem nos fez mal, a vida acaba por se encarregar de lhes dar uma lição de alguma forma. e quando outros duvidam de nós, em prol do que foi comentado por essas pessoas a vida também se encarrega de lhes mostrar a verdade... basta esperar. Tudo se compõe.

    Lamento mas tive mesmo necessidade de comentar pois hoje recebi um pedido de desculpa de alguém que não acreditou em mim num dado momento e agora percebeu quem dizia a verdade. O perdão claro foi concedido, no entanto nada posso fazer: aquilo ensinou-me imenso. Por vezes, não devemos ser crentes, ingénuos e nem devemos confiar em todos. No entanto, sou uma ingénua inqualificável que acredita sempre nas boas intenções do mundo quando este está cheio de pessoas de má índole.

    Diana

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺