segunda-feira, 12 de março de 2012

crónicas da vódrasta

Sábado à noite, voltávamos eu e o meu homem de jantar, o baby escarlate veio a correr para os meus braços e perguntou: "Queres ser minha mamã?"
Pensei cá para comigo que se teria zangado com a progenitora e respondi:
"Está bem. Mas e então o que fazemos à mamã? Ficas com duas mamãs?"
E ele respondeu muito assertivo "Eu também tenho duas avós"...
Na verdade o baby escarlate não tem duas avós.
Na verdade ele referia-se à avó e à bisavó da parte da mãe.
O baby escarlate tem muitos parentes e muita gente que lhe quer bem.
Mas não tem pai, nem tios, nem avós da parte do pai.
Que o pai e a mãe do baby escarlate não se entendam e que o pai seja tão estúpido que não quer saber do filho...
Mas os pais do pai do baby escarlate vivem na vizinhança e nunca quiseram sequer ver o neto.
Como é possível?!
Como é que existem pessoas tão frias ou tão sem sentimentos que conseguem ignorar um neto a morar no mesmo bairro?!
O baby escarlate não pediu para nascer, não tem culpa de ser descendente duma longa linhagem de gente burra.
E ele é só o menino mais lindo, mais meigo e mais esperto do mundo.
Palavra de 'vódrasta'.

3 comentários :

  1. Nas confusões e trapalhadas dos adultos, quem paga, normalmente são as crianças. Ainda bem que baby escarlate é amado, só assim será capaz de, quando for adulto, superar algumas dores que lhe poderão vir a atormentar o coração.
    Um beijinho e boa semana.

    ResponderEliminar
  2. Acho que dentro de tanta circunstância infeliz, o baby escarlate teve muita sorte na vódastra que a vida lhe ofereceu...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que tem uma vódrasta assim, e tantos que o amam.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺