sexta-feira, 17 de junho de 2011

Parabéns tia

(via)
A tia Clarisse era a minha tia mais feia.
Toda a família do lado do meu pai era feia.
E tratavam-me por Zita, um petit-non horroroso, que nada tinha que ver com o meu nome.
A tia Clarisse era baixinha, de cabelo escuro curto, olhos pequeninos azuis e um nariz em forma de bico de papagaio.
Morava nos subúrbios, num sítio onde fazia sempre nevoeiro de manhã.
Mas era a minha tia favorita, porque só tinha uma filha e tratava-me como se eu fosse também filha dela.
Comprava-me roupa igual à da minha prima, fazia-me os pratos favoritos da minha prima, apesar de eu não estar habituada a comer certas coisas e de não termos os mesmos gostos.
Nunca gostei de panquecas ao pequeno almoço que não fossem as da tia Clarisse.
Tinha sempre à minha espera um bolo de iogurte, o meu preferido.
E dava-me muitos beijinhos.
Eu adorava chegar por detrás dela e desapertar-lhe o laço do avental.
A tia Clarisse tinha a casa mais arrumada que já vi. 
Os móveis escuros a cheirar a óleo de cedro, um dálmata de louça à entrada, naperons espalhados por todos os cantos e encimados por bibelots.
Daqueles feios, da feira, de louça brilhante com laivos dourados.
A casa da tia Clarisse era feia, kitsh e pequenina comparada com a minha.
Mas foi dos locais da minha infância onde fui mais feliz.
Guardo com carinho, escondido numa caixa na despensa, um golfinho de louça pintado com laivos de azul e dourado, montado sobre uma base em madeira escura e dois brilhantes azuis por olhos, que a tia Clarisse me deu quando comprei casa.

2 comentários :

  1. Querida Scarlet, a tua tia Clarisse, deve(?) ser uma ternura de pessoa. É a tia que todos ambicionamos ter ou ser.
    Eu quero ser como a tua tia Clarisse...

    ResponderEliminar
  2. Tu já és um bocadinho qualquer coisa minha ;)
    não sei se tia, mas dás-me muito colo e mimo.
    Obrigada!

    ResponderEliminar

Obrigada pelo comentário ☺