sexta-feira, 29 de outubro de 2010

TGIF

(via misswallflower)

Agendas há muitas seu palerma...

Mas eu quero esta. É nacional é bom.
Mariquitas não sejas trafulha, esta é a mais bela agenda de Portugal!

Cine Paradiso è qui...

O in un'altra città... Bruges, Take us to Bruges.
Belissima Mariquitas.

Le fabuleux destin d'Amélie...

Se traverse avec le fabuleux journée Take us to Bruges.
Par Mademoisele Mariquitas.

You must remember this...

You must remember to stop by Take us to Bruges.
Cine Mariquitas are a sight to the eyes.

Da franja

(via 2ou3choses)
Prendi a franja e foi um dia de desgraça.
Além da 'monocelha' descabelada, lá estavam as MF das manchas na testa a rirem-se de mim.
Fui logo a correr para a farmácia comprar o creme mata borrão.
Branca de Neve, sai de cima.
Vais ver quem é que é mesmo branca daqui a 1 mês.

De Nereida a Frida Kahlo

Há pessoas que roem as unhas.
Eu depeno as sobrancelhas.
Vou-me a elas e só paro quando pareço um alien.
É um tique nervoso que me causa um prazer tenebroso.
Já passei pelo processo de desintoxicação outras duas vezes.
Espero que à terceira seja definitiva a cura.
Há dois meses sem tocar nas sobrancelhas já quase me tinha transformado numa 'monocelha'.
Tirei uma fotografia com o telemóvel, para nunca mais caír em tentação.
Hoje já estou com uma aparência mais humana.
Mas as pinças continuam extintas cá por casa.
São armas perigosas nas mãos erradas.

TGIF

(via cocokelley)

The little things...

(via lalalovelythings)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Legendagem

Kid Escarlate
(aka baby escarlate, aka enteaneto)
neto do
Love Escarlate
namorado de Miss Scarlet
dona de Nônô
Voilá!

Dos mistérios da vida

(via morninglightinmyroom)
Nunca tenho roupa para vestir quando começa uma nova estação.
Porque já não me serve.
Porque já não gosto.
Porque tem um fio puxado.
Porque tem um buraco.
Porque não encontro.
Não tenho explicação para o fenómeno.
Quer dizer, para a parte de já não servir, tenho.
Mas é sempre uma angústia.
Ele é a roupa, ele é os casacos, ele é os sapatos, as botas, as malas, ele é os acessórios.
Como é que eu nunca tenho nada para vestir?
(fora a parte da roupa deixar de me servir, não vamos falar isso tá?)

Darling you...

(via misswallflower)
... you make me feel brand new.

The little things...

(via lalalovelythings)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

A avó Céu #2

(via CassiaBeck)
À porta da casa da avó Céu haviam dois canteiros de malmequeres, um de cada lado.
Ao meio uma porta de madeira escura, pesada, com um batente dourado em forma de mão.
A porta debruada a amarelo torrado, as paredes de branco caiadas.
Nas tardes de Outono, quentes como esta, sentávamo-nos no poial da porta, entre a rama de malmequeres selvagens, a comer pevides de girassol e a cumprimentar quem passava.
... "Ba'tarde menina, ba'tarde comadre Maria"...

Dos balanços

(via daisypies)
Não sou dada a balanços.
Talvez porque até quando erro o faço convictamente.
Conscientemente e sem arrependimentos.
Arrependo-me mais da falta de coragem que da precipitação e do risco.
Mas vai que hoje o kid escarlate faz 1 ano.
Há 1 ano atrás eu não estava de bem com a vida.
Andava irritada, stressada, farta.
A Nônô estava doente, com uma bactéria no fígado, e eu chegava mais tarde e saía mais cedo do emprego para lhe dar os remédios.
Levava todo o tempo que estava em casa a arranjar estratagemas para a fazer comer.
Estava magrinha, amarela e demorou a melhorar.
Há 1ano atrás o kid escarlate era um problema prestes a complicar-se.
Filho de mãe solteira, mãe irresponsável por natureza, sem emprego nem profissão.
Há  1 ano o love escarlate teve um enfarte.
Há 1 ano nada parecia fácil.
Mas depois veio a vida e a sua incrível capacidade de nos surpreender.
E a Nônô recuperou e já está gorducha e espertalhona como sempre.
E a mãe afinal é uma boa mãe e parece querer dar um rumo à sua vida.
E o enfarte correu o melhor que podia ter corrido dadas as circunstâncias.
E não tarda nada estamos no Natal.
E para o ano talvez faça outro balanço.

The little things...

(via lalalovelythings)

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Da desmotivação

(via aubreyrd)
Ando assim...

Just for today

(via her0in-chic.xanga)
Só por hoje, só por esta semana não me importava nada de ficar em casa a fazer rien de rien ou só as coisas de que gosto e a viver do rendimento mínimo... pode ser?

Monday Morning rain is falling

(via dressdesigndecor)
Acordo antes do despertador, com frio.
Sinto o lado esquerdo da cabeça a latejar.
A enxaqueca de sábado ainda cá está.
Vou tomar banho e ouço o míudo do andar de cima aos gritos "odeio-te" "não quero ir".
Vizinhos destes são o melhor anticoncepcional que uma mulher pode ter.
Hesito se hei-de levar uma écharpe por causa de eventuais dores de garganta, o meu calcanhar de aquiles.
Bolas, está a chover.
Troco de sapatos porque os que tinha calçado são abertos.
Estes são fechados mas caiem-me dos pés.
Paciência, páro no sapateiro pelo caminho.
A chuva molha-me as pernas e o cabelo cola-se à cara, a roupa cola-se ao corpo.
Tenho calor. Agora tenho sempre calor e transpiro desalmadamente.
Estou atrasada e ainda tenho de ir à pastelaria comprar pães de leite para 4, malditas reuniões de segunda feira de manhã.
Invariavelmente o meu chefe atrasa-se e passamos fome.
O sapateiro pede-me 7,5€ pelas palmilhas.
WTF? São silicone mas não são nenhum implante mamário!
Next stop farmácia, comprimidos para a enxaqueca.
Daqueles que atordoam mas não curam, porque dos outros só com receita e o médico não há meio de passar lá no escritório.
Monday morning...

The little things...

(via lalalovelythings)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

As bestas do costume

(via daisypies)
Isto é o que eu penso sobre isto...

Das viagens

(via peppermintuniverse)
Nas minhas mais recentes férias fui a Antalya, na Turquia, e foi a primeira vez que fiquei desiludida com um destino.
Na verdade não foi bem com o destino, foi mais com a agência de viagens, com os passeios que me tinham garantido serem possíveis e afinal não se realizaram, com a falta de organização, etc.
Safou-se o hotel, que era ainda melhor do que aquilo que parecia na internet e nos folhetos.
Alá seja louvado.
A última peripécia da viagem deu-se exactamente no regresso, ao fazer o check in no areoporto.
Estava já a mala no tapete e começa o moço turco que me estava a atender a falar turco com a moça turca que estava no balcão ao lado e chamam um terceiro turco e tudo isto sem sequer olharem para mim e com o meu passaporte na mão.
Vai daí os 3 turcos resolveram chamar um quarto turco, segurança do aeroporto.
Lá perguntei em Inglês o que se passava.
Ora por aqueles lados os turcos falam turco, russo e alemão.
E sabem muito pouco quase nada de Inglês.
Levei por resposta um atabalhoado "false passport".
WTF?!
Como se o passaporte não tinha saído do cofre do hotel??
Já me estava a despedir, adeus amor até qualquer dia e a imaginar a minha vida numa prisão turca, a comer azeitonas a todas as refeições e outras coisas que ainda fazem pior à pele.
Vai-se a ver era o bilhete que era falso (again WTF?!) e lá apareceu uma criatura que arranhava Inglês e me explicou que os colegas já tinham feito o chek in a uma Maria Escarlate e que tinha de esperar que o chek in fechasse a ver se sobrava um passageiro.
Sorte a minha, sobrou uma tal de Maria Fernandes e lá fui a correr para dentro do avião.
Não sem antes ter sido apalpada por uma turca bruta e mal encarada que embirrou com as minhas leggings a imitar napa, que mas puxou várias vezes alargando-as e quase dando-me beliscões (yes pá é imitação de leather) e, horror dos horrores, sem luvas, enfiou um dos dedos de sua mão por entre os dedos dos meus pés, através da abertura dos sapatos!!
Podia ter pedido por gestos que eu tinha-me descalçado.
Ou descalçava-me ela com suas delicadas mãos, sem dizer água vai, whatever.
Ah! E a minha bagagem viajou em nome de Maria Campos...
Mas chegámos todos bem após 5 horas de vôo.

Take us to Bruges

(via audreyhepburncomplex)
Maria tem um curso para tirar, um gato para alimentar, um frigorífico que parece que quer deixar de funcionar...
E vocês, já foram lá licitar?

A avó Céu #1

(via daydreamlily)
Quando eu era pequena grande parte da minha vida passava-se no Alentejo.
Passava-se na rua e com primos.
E com a avó Céu.
A avó Céu era a melhor avó do mundo.
Cheirava a algodão doce e tinha colo e beijos e segredos e remédios miraculosos para tudo.
E quando eu me queixava dos primos (era a mais nova de... deixa cá ver... 9 primos) ela escutava-me atentamente e determinava a sentença com ar sério: "Deixa lá que a avó vai castigá-los e eles esta noite dormem descalços!"
E eu voltava para as brincadeiras de coração consolado.
Afinal, ía ser feita justiça.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Das figuras tristes

(via tumblr)
Eu sou assumidamente vaidosa.
Se há coisa que valorizo é a minha imagem.
Sou incapaz de saír de casa sem me sentir bem.
Faz parte de mim.
E se há coisa que na minha vida tem uma importância desmedida é o cabelo.
Nasci careca e evoluí logo para uma trunfa desgrenhada.
Cresci a levar puxões de cabelo para me porem apresentável e passei a adolescência de cabelo curto, com os cortes mais modernaços dos idos 80.
Dito isto já estão a ver a dimensão do drama, não já?
Amo a minha cabeleireira de paixão e sigo-a como um rafeiro.
Hoje o meu cabelo é domável, bonito e comprido graças a anos e anos de cuidados e à escova progressiva.
E à minha S, que Deus lhe dê muita saúdinha.
Portanto, ontem estava eu a saír do emprego para um rendez-vous com a minha S, quando presenciei um acidente rodoviário.
Um carro saíu desenfreado duma rotunda e levou outro à frente, de arrastão.
O carro arrastado acabou num terreno inclinado, capotou várias vezes e ficou virado de lado.
E eu, na paragem, assisti a tudo.
Liguei imediatamente para o 112.
Sucede que entre a transferência da chamada e as perguntas de xaxa que me faziam, juntou-se um grupo de gente que virou o carro capotado e o condutor saíu a andar pelo seu próprio pé.
O outro condutor, que perdeu a frente do carro, já estava cá fora a deitar sangue da cabeça.
Tudo isto eu ía relatando à menina do 112.
Até que ela me diz: "pode chegar ao pé das vítimas e perguntar-lhes os sintomas?"
E o qual foi a pérola que me saíu boca fora mesmo antes das sinapses dos neurónios funcionarem e me aperceber da barbaridade???
"Ai desculpe mas isso não posso que eu tenho de apanhar o autocarro."
...

Dos homens

(via comically vintage)
Não tenho grande consideração pelos homens em geral.
A maioria dos homens são dependentes, fracos e imaturos.
Pouco desenvolvidos emocional e intelectualmente.
Incapazes de levar a cabo várias tarefas em simultâneo.
Curiosamente os meus melhores amigos são homens.
Mas esses são dos outros.
Dos inteligentes e charmosos, equilibrados e cultos.
E giros.
Claro que nunca gosto das namoradas deles, bitches.
Sou demasiado possessiva.
E gosto de os ter a vir comer à minha mão.
Gosto que me mimem, que andem de roda de mim, que me queiram mostrar aquela foto fantástica, que me queiram levar a ver aquela peça de teatro, que me queiram preparar aquela nova receita afrodisíaca.
E no início dos namoros distraiem-se com as namoradas.
Uma chatice.
Depois retornam, de mansinho, primeiro um telefonema depois um café, depois vai-se o namoro e retoma-se o ciclo.
Mimada, eu? Claro.
Tenho com os meus amigos assim uma relação de bondage platónica, em que eu sou o mestre.
Eu sei que eles sabem que sou a mulher da vida deles mas, azarito, chegaram atrasados.
E existe entre nós um jogo de sedução, uma atracção controlada.
E é bom, faz bem ao ego.
Penso sinceramente que é tão bom para eles quanto para mim.
Secalhar se quebrássemos a fronteira da amizade uma das partes ficaria menos satisfeita, mas isso é pura especulação.
Mas isso tudo são os meus amigos.
Os outros, os idiotas, são aqueles que abrandam o carro só para me verem melhor quando estou na paragem à espera do autocarro.
Que diabo leva homens adultos a abrandar a marcha para mirar uma mulher de 40 anos numa paragem, é um mistério para mim.
Só posso concluír que sou muito mais gira do que me acho.
Irritam-me sobretudo os que, além de abrandarem, esticam o pescoço e fazem um aceno de aprovação.
Têm um espelho mesmo à frente, não conseguem ver o ridículo da coisa?? Hello?? Anybody home? Tico? Teco?
Anyway, dadas as circunstâncias estou a considerar fazer um estudo sociológico da crise.
A partir de amanhã não mais estarei sózinha na paragem.
Ao meu lado vai estar uma tabela de preços de serviços variados.
Só assim a ver quem dá mais.
Ou quem tem balls...

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Are you a Jackie or a Marilyn?

(via justsaymaux)
As questões foram elaboradas a partir do livro Are You a Jackie or a Marilyn?, de Pamela Keogh.
Façam o teste aqui.
I'm a Marilyn, of course!

Dúvidas Existenciais

(via tumblr)
Preciso de rever a graduação dos óculos.
E estava aqui a pensar que, estrategicamente, o ideal era ir à consulta em Novembro, comprar uns óculos na Multiópticas em Dezembro, diz que eles oferecem um armação grátis e eu mandava por as lentes graduadas no segundo par em Janeiro.
Ora ficava tudo coberto pelo seguro de saúde e eu ficava com uns óculos bonitinhos e outros para andar por casa, já que os meus óculos acabam sempre no chão, no meio de livros ou mesmo na cama, ainda na minha cara.
Mas, agora que deito contas à vida, não sei se não me compensa mais a campanha do desconto igual à idade...

Herbário

(via tumblr)
E de repente veio-me à memória uma das coisas simples da vida que me faziam tão feliz.
Como andar nesta altura do ano a apanhar folhas do chão, para colar com a maior cautela num caderninho de capa preta...